RECICLAGEM

RECICLAGEM NA GRANDE VITORIA

Municípios da Grande Vitória reciclam mais de 340 toneladas de lixo por mês 


Somete em Vitória, são recolhidas 10 mil toneladas de lixo por mês, mas somente 250 toneladas de resíduos são reciclados. A coleta seletiva é uma mudança sem volta, por isso todo mundo tem que se acostumar e aprender a separar o que pode e o que não pode ser reciclado. De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a implantação da coleta seletiva é obrigação dos municípios. 
 
Em todo o país, 1.227 cidades contam atualmente com serviços de coleta seletiva, segundo pesquisa realizada pelo CEMPRE (Compromisso Empresarial de Reciclagem e divulgada no início deste ano. O número de brasileiros atendidos por esse serviço, no entanto, ainda é considerado baixo: apenas 17% da população. Além disso, a maior parte deste serviço está concentrado no Sul e Sudeste do país - 83% das cidades que têm coleta estão nessas regiões brasileiras.
 
Na Grande Vitória, todos os municípios já oferecem o serviço de coleta seletiva. Segundo estimativa das prefeituras, mais de 340 toneladas de resíduos recolhidos por mês são reciclados. Segundo especialistas, os números ainda são baixos. O motivo? A falta de conscientização.
 
"Falta, realmente, conscientização, campanha de marketing com o intuito de sensibilizar as pessoas para que elas entendam que o lixo que elas estão jogando fora, sem selecionar, vai para um destino incorreto. Conscientização é importante, pois as pessoas, mesmo sabendo, não separam o lixo. Ao separarmos o lixo, vamos facilitar seu tratamento, diminuindo as chances de impactos nocivos ao meio ambiente e para a saúde do planeta. Cuidar do lixo também é pensar em desenvolvimento", afirma o ambientalista Fábio Medeiros. 
 
 
Em média, são recolhidas 10 mil toneladas de lixo por mês. Já o montante de lixo reciclado é de 250 toneladas por mês. Atualmente, duas associações de catadores trabalham na reciclagem, e em breve, mais uma associação será conveniada. 
 
No total, a capital possui 924 pontos de coleta seletiva (condomínios, estabelecimentos comerciais, escolas, hospitais, etc.).
 
- Vila Velha
 
Por mês, são aproximadamente 18 mil toneladas de lixo recolhido. Deste total, 44 toneladas são reciclados. Há coleta seletiva na Praia da Costa, Itapuã, Coqueiral de Itaparica, Praia das Gaivotas e parte do Centro. O lixo doméstico é encaminhado para um aterro sanitário na região do Xuri. 
 
- Serra
 
São recolhidas mais de 100 mil toneladas de lixo domiciliar por ano. Em média, são coletados 12,7 toneladas por mês de resíduos recicláveis. A Serra tem 115 locais de entrega voluntária de material reciclável. 
 
- Cariacica
 
A média mensal de lixo domiciliar recolhida no município é de 8.500 toneladas. Por mês, cerca de 40 toneladas de lixo são reciclados. O serviço atende todos os bairros. Atualmente, o município possui 12 pontos de entrega voluntária. 
 
Como separar o lixo em casa?
 
Para colaborar com a coleta seletiva, é necessário alguns cuidados na hora de separar o lixo para não causar grandes danos ambientais ou inviabilizar o aproveitamento dos resíduos. A primeira missão é entender que os resíduos precisam ser divididos duas categorias: resíduos secos, como latas, papel, plástico e vidro; e úmidos ou orgânicos, como restos de comida.
 
“A maioria das pessoas entende a importância da reciclagem em um mundo de recursos naturais cada vez mais escassos e quer colaborar com a coleta seletiva. Mas precisamos mostrar o jeito certo de fazer”, afirma Medeiros.
 
O lixo seco representa os resíduos recicláveis, já o lixo úmido corresponde aos não recicláveis. A técnica que pode ser feita em casa facilita o trabalho das empresas de logística de resíduos e ainda simplifica a gestão no lar. 
 
Em relação aos restos de alimento que causam mau cheiro, como o cigarro e madeira, eles precisam ser depositados no lixo comum, pois atraem insetos e criam bactérias que podem causar doenças.
 
Resíduo reciclável e não reciclável
 
Além da separação do lixo em seco e úmido, existem alguns materiais da categoria de resíduos secos que também não podem ser reciclados. Confira no infográfico abaixo o que você pode separar para a coleta seletiva:
 
 
Descarte correto
 
Para facilitar o entendimento sobre o descarte dos resíduos, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), estabeleceu cores para diferentes locais de descarte na coleta seletiva.
 
Azul - papéis e papelões
 
Verde - vidros
 
Vermelho - plásticos
 
Amarelo - metais
 
Marrom - resíduos orgânicos
 
Preto - madeiras
 
Cinza - materiais não reciclados
 
Branco - lixos hospitalares
 
Laranja- resíduos perigosos
 
Roxo- resíduos radioativos